Tuesday, May 21, 2013

enquanto machismo não for visto como racismo, não vamos a lugar nenhum

eu moro no térreo. hoje o sol saiu, eu abri as janelas (que dão pra rua), sentei no meu sofá e fiquei trabalhando.

um cara muito estranho, que sempre olha dentro da minha janela, parou e soltou uma piadinha que eu não entendi e no fim fez "tsc, tsc".

por todas vezes que ele olhou dentro da minha janela e por mais esta, que foi extremamente invasiva; por ele ter parado pra me importunar, eu pulei enfurecida da janela e perguntei que diabos ele queria de mim. ele se virou e fazendo biquinho, perguntou se eu tinha ficado ofendididinha. aí começou o bate-boca, eu dizendo que ele não tinha o direito de enfiar a cabeça da minha janela pra me ofender, ele dizendo que se eu quisesse ficar sossegada devia fechar minha janela. o tempo todo ele falou comigo em tom de deboche, me diminuindo.

o que ele não sabia é que meu namorado estava no quarto e, quando ele saiu pra mandar o cara vazar, o cara fico puto - comigo. começou a chamar de puta e estudantezinha de merda e saiu andando e me xingando.

quer dizer, o cara pensa que me pode me tratar como quer, porque vê uma menina sozinha e acha que pode fazer o que bem entende. ao ver que ela não está sozinha, ele fica com raiva que estragou-se a brincadeirinha perversa dele.

o cara saiu me chamando de puta, as pessoas sairam na rua pra olhar, mas ninguém fez nada. ele era negro  e se eu tivesse chamado ele de preto, de qualquer coisa relacionada ao tom da sua pele ou aparência, ele ou meus vizinhos iam chamar a polícia por racismo, ou interceder defendendo-o, e eu ia sair de vilã.

mas chamar uma mulher de puta pode. chamar uma mulher de puta não choca ninguém.

não importa o quão errado ele estivesse, a sociedade dá a ele o direito de me xingar por ser mulher e sair ileso. já eu, eu não posso chamá-lo de nada, pra não perder a razão.

pra que caralho eu quero razão? eu quero é respeito.

até quando, meu deus, até quando?

16 comments:

renato andrade said...

Nossa, que horrível isso Ivi, triste saber que ainda há pessoas como essas.

vodca barata said...

pior, rê, é pensar que elas são a regra e não a excessão.

Unknown said...

Ivi, concordo! E é realmente revoltante!

Mas agora eu fiquei foi preocupada com a sua segurança, menina!! Toma cuidado aí, por favor!!

Bjss

Carol said...

Que coisa horrível!

Ingrid Gomes said...

Pois é, se o cara mete a mão na sua bunda ele é machão, fodão, se vc deixa vc é puta, se vc enfia a mão na cara dele vc é uma louca agressiva!
Mundo mais filha da puta esse!

Eu tenho um filho e no Brasil ouvi muita piadinha de outras mães porque meu filho brinca de boneca, de panelinha... ouvi "ahhh mas menino tem que brincar de carrinho, de caminhão!" (que ele tb brinca!.

Numa dessas eu disse, "suponho que vc tb ache que o seu filho tem que passar a mão na bunda das meninas e chamar meninos como o meu de viadinho", a nega sorriu e disse "Ahhh Ingrid, isso tudo é coisa de menino, vc sabe, se o seu continuar assim delicado, ele vai sofrer!".
Cortei relaçoes, meu filho só tem dois anos e dez meses, não precisa desse tipo de gente por perto dele.

O crio pra ser um homem bacana como é o pai dele, como era o meu avô, não pra ser mais um filho da puta como tantos que eu conheço e vejo por ai.

Agora eu te digo, mulheres da nossa geração, que são mães de meninos seguem criando homens cretinos e ordinários. Homens que tem esse mesmo pensamento desse otário que olhou pra dentro da sua janela e tantos outros que vao ainda além.

Triste demais.

beijos

Clarissa said...

que horrível, ami.
é muito revoltante essa merda toda.
sem perder de vista o quadro maior, toma cuidado contigo. se protege de alguma forma, que não seja viver enclausurada, como o filho da puta que te agrediu recomendou.
é muita gente-lixo nesse mundo.

Rack´s said...

Muito triste esse relato!

Mari Maciel said...

:(

triste mesmo.

tamo junta, bonita.
:*

Tassia said...

Que FDP! É esse mesmo tipo de homem que acha que tudo bem dizer besteiras quando a gente passa na rua, ou passar a mão na bunda de uma garota "só de brincadeira". Parece que os homens usam o machismo como escudo, é o pior é ver que funciona. Mundo triste pra ser menina :(

Blenda said...

Que triste isso. Às vezes eu fico pensando que esse tipo de situação acontece com mais frequência aqui no Brasil do que fora, mas infelizmente parece ser um problema universal essa postura de "macho alfa".

Antônio LaCarne said...

gente, que absurdo isso! realmente uma coisa revoltante! nessas horas bate uma tristeza misturada com raiva e falta de esperança com o mundo.

mas fica bem, e cuidado com esse filho da puta.

Dani said...

É lamentável toda esta situação, Ivi. O machismo do seu agressor que se julgou superior para ofendê-la. E, pelo que ficou implícito no seu texto, o fato dele ser negro parece que tornou (inconscientemente) a ofensa dele mais aviltante para você. Não estou procurando acusar ninguém de nada, só achei essa reflexão pertinente para a discussão.

Afinal de contas, o seu texto parece tratar mais da questão da “legitimidade” do negro em relação à mulher na sociedade do que necessariamente o machismo. Mas não poderia ser o contrário? Será que se daria tanta ênfase a questão étnica do agressor se este fosse branco? Será mesmo que a nossa luta se resume em uma competição entre os grupos marginalizados para saber onde dói mais a exclusão?

Honestamente eu acho que a nossa luta é contra um inimigo muito maior, a distinção, que sempre reforça uma fronteira entre nós. E fez com que numa situação triste como esta, refletíssemos o quanto ocupamos ao mesmo tempo o lugar de vítima e vilão. Lamentável mesmo é concluirmos o quanto a discriminação é combustível imprescindível para nossa sociedade branca, masculina e heterossexual.

Abraços!


Unknown said...

Ivi, sou leitora do teu blog há tempos, aqueles tempos de coração partido (que me dava uma baita agonia rsrs) e to curtindo muito esses posts sobre gênero. Sou de uma família extremamente machista e desde cedo tive problemas com as minhas dúvidas/curiosidades/questionamentos, mas isso nunca me calou, ao contrário, me sinto muito foda vendo o quanto eu cresci com uma cabeça boa, indo atrás de informações que me fizessem uma pessoa melhor a cada dia.

Enfim, foi muita sorte encontrar o teu blog e por conta disso procurar mais informações sobre como é ser mulher e como encarar esse medo constante da violência. Nessas andanças, encontrei esse texto aqui, acho que tu vais curtir.

http://papodehomem.com.br/como-se-sente-uma-mulher/?utm_source=feedly

Super beijo de uma gaúcha que admira o teu trabalho, a tua luta e as tuas ideias. E o teu jeito coisamaisdelicia de viver o teu amor!

Marília Valengo said...

Ivi, que saco. Cuide-se. Beijoca.

Raquel said...

vc não está enxergando... vc acha q chamar alguém de PRETO, é um xingamento?? Refira - se à ele como: idiota, babaca, cretino. Mas preto?? desde quando isso é xingamento? Se vc acha q isso ofenderia, sim, vc é racista, e não está percebendo.
Como se ser negro, fosse algo ruim.. entendeu?

raquel said...

Basta ser mulher pra sofrer esse tipo de agressão. A gente tem que carregar esse fardo apenas por essa condição. Só vi isso agora, ami. É muito triste e sempre revoltante. Dá uma olhada nesse texto aqui:

http://papodehomem.com.br/como-se-sente-uma-mulher/

Beijo. Te amo.