Friday, August 28, 2015

having a coke with you, de frank o'hara





tomar uma coca contigo

é ainda mais legal do que ir pra praia
ou passar mal na festinha da praça da prefeitura
em parte por causa da tua camisa de flanela tu parece um kurt cobain                              mais animado
em parte por causa do meu amor por você em parte por causa do seu                          amor por iogurte
em parte por causa dos alecrins ressequidos ao redor da montanha
em parte por causa da ilegalidade da nossa troca de sorrisos quando                       estamos em público
é difícil acreditar quando estou contigo que bem diante das minhas                                     fuças existe
algo tão calmo tão solene tão fuderosamente definitivo quanto essas                                     fotografias
na luz encandeante das 4 da tarde de barcelona a gente perambula
como perambulariam as árvores se pudessem
e naquela exposição os retratos não pareciam ter cara
e tu se pergunta por que caralho alguém nesse mundo faria algo assim


eu olho
pra tu e prefiro mil vezes te olhar do que olhar qualquer outra foto
quer dizer, talvez prefira olhar uma foto tua em alguma exposição
à qual você ainda não teria ido e à qual iríamos juntos
o fato de que tu és tão lindo mais ou menos resolve o futuro da                                               fotografia
até porque quando tô sem fazer nada eu nunca penso em Gursky ou                                               Soth
e quando tô ocupada é uma foto de Diane Arbus que me tira o sossego
que importa tanta fotografias e tantos fotógrafos se eles
nunca encontraram a pessoa perfeita para comer pão com queijo na                                       montanha
tipo Richard Prince que escolheu o cavalo certo e o cowboy errado


na minha opinião eles foram todos privados de uma vivência                                              maravilhosa
que não passou despercebida por mim e é por isso que te digo tudo                                                 isso.











nota:

#1
essa é a primeira tradução minha que arrisco publicar. existem umas escolhas de contextualização que ainda me sinto meio insegura - o poema original se refere a uma exposição de esculturas e fala de outros artistas, em outra cidade etc. além disso, porque o poema original tem um ritmo de fala, misturei os pronomes ou fiz uso 'errado' deles ("tu se pergunta (...)") e das conjugações, porque é assim que se fala (bom, ao menos em recife a gente fala assim haha). o original tem poucas vírgulas (de novo, a coisa da fala) em elas estão em outros lugares; eu tentei usar vírgulas o menos possível.
#2
para ler o original em inglês
#3
perdi horas lutando com metrificação original e as configurações do blogger, essa foi a solução que encontrei,
forgive me a ignorância de html.

Monday, August 24, 2015

introducing

com alguns dos coautores do projeto que estamos desenvolvendo durante a residência artística em el bruc, sábado passado. aff é muita fofura.


os mano pow, as mina pá

Sunday, August 16, 2015

de "manhã"



adília maravilha
no dia do meu
e do aniversário
de mainha

Saturday, August 15, 2015

"nem pense em jogar essa camiseta fora"

minha mãe fazendo limpeza das coisas que deixei na casa dela e me consultando via skype:



mas minha filha esse trapo já tem 17 anos...



Friday, August 14, 2015

poema inédito na modo de usar & co.

em breve saindo meu segundo livro, até agora chamado de "o martelo", pela douda correria.



um dos poemas foi publicado hoje na modo de usar & co., em postagem do meu amigo e companheiro no vale do rímel borrado, ricardo domeneck.





beijos e boa sexta!

Wednesday, August 12, 2015

Tuesday, August 11, 2015

dr. cornel west

é um vídeo longo, mas vale a pena cada segundo. é tão difícil alguém que tem aceso aos holofotes usar essa chance para aliar num discurso ao mesmo tempo denúncia e enaltecimento da empatia. geralmente só se faz um ou outro.

eu posto esse vídeo hoje desejando que inspire quem o assistir a pensar não somente na sua situação de oprimido - se oprimido for - mas pensar também no outro, pensando de uma outra perscpectiva, daquele "lugar" em que você não sofre.





isso serve para pensar também o que está acontecendo no brasil. como estamos sendo todos manipulados, tentando nos fazer desacreditar no processo democrático, processo esse abalado apenas por um filhinho-de-papai (ou podia apenas dizer "homem cis branco e rico" ou seja, alguém nascido e criado com todos os provilégios - ou seja, alguém que não representa você) que não sabe perder. como podemos nos deixar levar por isso, sem pensar uns nos outros? eu não sei.

esse vídeo foi postado por ricardo domeneck no facebook da modo de usar & co. obrigada, amiga.