Tuesday, May 31, 2016

exílio, de ingeborg bachmann



amanhã, dia 01 de junho, é aniversário de 40 anos da morte de dora lara barcelos, integrante da VAR-palmares (a mesma organização de dilma), presa em novembro de 1969 e brutalmente torturada, até ser libertada entre os 70 presos políticos trocados pelo embaixador da suíça no brasil, giovanni bucher, em 1971.

depois de se exilar no chile, ela teve que sair do país após o golpe e a queda de allende, fixando residência na berlim ocidental, em 1974. sem passaporte, com dificuldades de conseguir o asilo no país, marcada pela tortura e pelos abusos sexuais que sofreu na prisão, dora lara barcelos jogou-se diante de um trem na estação de charlottenburg naquele 1° de junho de 1976.

para não esquecer, ricardo domeneck, érica zíngano e eu vamos fazer um pequeno ritual na estação de charlottenburg, onde dora se matou. vamos ler, em sua homenagem, poemas de hilda hilst, wislawa szymborska e ingeborg bachmann - cujo poema eu, pensando em dora, traduzi e publico aqui:



ingeborg amor canceriano da minha vida



Exílio

Eu sou um morto que perambula
em canto nenhum registrado
desconhecido no reino da política
supérfluo nas cidades douradas
e no campo fértil

descartado já há muito
e totalmente esquecido

Apenas vento, tempo e som

que eu, entre pessoas, não posso viver

Eu com a língua alemã
essa nuvem ao meu redor
que eu considero minha casa
me arrasto entre todas as línguas

Ai, como ela se eclipsa
a escuridão, o som da chuva
é pouco o que cai

Então é para onde tem luz que ela leva seu morto.



Exil

Ein Toter bin ich der wandelt
gemeldet nirgends mehr
unbekannt im Reich des Präfekten
überzählig in den goldenen Städten
und im grünenden Land

abgetan lange schon
und mit nichts bedacht

Nur mit Wind mit Zeit und mit Klang

der ich unter Menschen nicht leben kann

Ich mit der deutschen Sprache
dieser Wolke um mich
die ich halte als Haus
treibe durch alle Sprachen

O wie sie sich verfinstert
die dunklen die Regentöne
nur die wenigen fallen

In hellere Zonen trägt dann sie den Toten hinauf




convido minhas leitorinhas queridas a, caso lhes interesse, lembrar da vida e morte severina de dora em suas redes sociais, com a hashtag #doralarabarcelos. podemos linkar seu perfil no wikipedia, ou o documentário "Brazil: A Report on Torture" filmado no Chile em 1971 e no qual dora é entrevistada ou, para quem gosta de textão, esse ótimo artigo (em português!) do centro de direitos humanos de nuremberg. qualquer gesto é importantíssimo porque, nesse momento que o brasil vive, temos que lembrar e valorizar nossas mulheres e nossa her-story. e socê tiver em berlim, aparece na estação amanhã às 19h30 :)




Wednesday, May 11, 2016

o martelo no suplemento pernambuco



resenhas lindas pra dias horríveis
(brigada ju pela foto!)



Wednesday, May 04, 2016

minha dupla no chic


ontem no bar com victoria depois de seis anos sem se ver.

amor eterno amor verdadeiro
(SECCO, deborah)