Sunday, July 28, 2013

al-fêmea urgente: blogueiro mosquito, que denunciou estupro envolvendo filho de done da rede de tv filiada a globo, é encontrado morto

copio parte do texto que anuncia a morte do blogueiro, publicado no site pragmatismo político:

(...)

O blogueiro Amilton Alexandre, o Mosquito, foi encontrado morto em seu apartamento, em Palhoça, Santa Catarina, na tarde de ontem (13). Segundo a polícia, tratou-se de “suicídio por enforcamento”. A rápida conclusão, porém, não convenceu seus amigos e familiares, que exigem rigorosa apuração do caso.

Com suas “tijoladas” na internet, Mosquito fez inúmeros inimigos. Nos últimos tempos, ele alertou que estava sendo ameaçado. Na semana retrasada, ele anunciou o fim da sua página: “O blog Tijoladas acabou para eu continuar vivo. Não é uma capitulação. Não mudei meu modo de pensar. Não mudei minhas convicções”.

Mosquito ganhou fama nacional ao denunciar um caso de estupro em Florianópolis, envolvendo o filho de um diretor da poderosa RBS, afiliada da TV Globo. 


por favor, leiam na integra e compartilhem essa notícia. é muito grave isso, o al-fêmea repudia infinitamente.

Friday, July 26, 2013

al-fêmea urgente: trote da universidade de brasília faz apologia ao estupro

até quando esses porra vao continuar achando que esse tipo de piada é engracada - e que, pior, nao fere ninguém?

eu, adelaide ivánova, 30, sobrevivente de violência sexual, me recuso a aceitar a esse tipo de coisa como "humor". me ofende, me entristece, me faz sentir como se o que fizeram comigo foi uma piada, e como se minha dor nao valesse nada. chega, porra!




esses criminosos estao estudando em universidade federal, ou seja, tendo o estudo sendo pago por cidadaos brasileiros, que incluem (nao diga!) eu, você e milhares de mulheres que, vítimas ou nao de violência sexual, sao ofendidas por esse tipo de mensagem.


denunciem o caso pro diretor da faculdade de tecnologia da unb: antônio césar pinho brasil júnior no email ftd@unb.br. 



via correio braziliense.

update: foto em que dá pra identificar os dois criminosos:



Wednesday, July 24, 2013

Tuesday, July 23, 2013

"documentais"

é hoje o lançamento da coletânea de crônicas "documentais", organizada por meu amigo e fiel escudeiro xinaider carpeggiani. tem um texto meu que vocês já conhecem, mas nao vou dizer qual é hahahaha



o livro reune autores que eu amo muito, tipo fabiana moraes e raimundo carrero, além do meu companheiro no vale de lágrimas ricardo domeneck. e o prefácio, escrito por eliane brum, é lindo (ela cita meu texto na última linha do quarto parágrafo! hahaha) e dá pra ler na íntegra no site do suplemento pe.

quem estiver em recife hoje está carinhosamente convidado a ir e me representar! é às 19h, no mezanino da livraria cultura.




Monday, July 22, 2013

dicas pra usar suas fotos saldãozais

esse post no a beautiful mess é uma versão fofa e simpática do que a gente faz quando vai montar exposição!


pra não cagar a parede depois porque botou os
pregos no lugar errado (ou tortos!)



al-fêmea nius (tárramos necessitando um pouco de seriedade nesse dileto blog)

1. aposto que você não sabe como se chama a minisitra do meio-ambiente (eu tampouco sabia). pois ela se chama izabella teixeira e das mãozinhas dela saiu a resolução que autoriza o tráfico de animais silvestres em território brasileiro.

al-fêmea repudia.

2. ulisses carrilho correspondente do vodca no rio grande (do sul e do mundo) enviou o webiste com esse trampo (eu acho que a artista se chama megan pickering, não achei no site). a artista define o próprio tralho assim: Most recently my work has attempted to highlight the widespread problem of the representation of women within art and society, and the importance in helping to redefine these portrayals.

é um trabalho de cooperação entre a artista e espectador. ela propõe não somente reflexão, como reação a ideias pré-concebidas sobre a mulher, seu papel social e representação na socidade contemporânea. simples e bom.




3. eu não preciso nem perguntar se vocês lembra da pâmela. ela faleceu faz um mês, de parada cardíaca, deopis de uma traqueostomia, que era parte do tratamento que pâmela vinha fazendo no núcleo de proteção aos queimados, em góias, desde junho, quase um ano depois que o seu ex-namorado monstro tentou assassiná-la tocando fogo. o féla da puta, que se chama thiago da silva flores, continua livre, vive em porto alegre na casa da mãe (coitada dessa mãe).

o al-fêmea repudia e não é pouco. 

4. petição do all-out contra a lei anti-propaganda gay (que caralhos seria isso) que o sr. putin, presidente da rússia, decretou. pela amor de deus assinem e compartilhem!

façam coma tilda swinton!


tilda em moscou

5. depoimento de madina bocum, de bamako, sobre mutilação vaginal e sua luta contra isso. leiam leiam leiam.

6. camiseta mára da campanha anti-homofobia do governo da paraíba (sim, você leu certo, do governo da paraíba!).
victor vasconcellos é feminista e criador da page "Moça, você é machista"

Sunday, July 21, 2013

look wonderful do dia




saída diretamente de um livro de diane arbus

Friday, July 19, 2013

pra clarissa, com amor

clarissa é por acaso canceriana e sim, minha preferida, mas não somente pelo signo, mas por todas as outras características: um sorriso maroto e uma elegância dji maiô que só ela têm!














eu não sei se ela recebeu o sms que mandei no dia dos seus cumpleaños, espero que sim. eu dizia que a ela escultura de james joyce e toda dublin se iluminavam pra ela, minha miga clarissa, nos seus 30 anos (finalmente, porra!).

Tuesday, July 16, 2013

sombras cosmopolitas (esse título é uma piada, ok?)

tá sem ideia?
não sabe fazer curadoria?
é geminiana e não sabe decidir?
o iveto te ajuda a escolher suas foto pro saldón!

ó que lindeza essas foto com sombra de janela:


sombra em são paulo

sombra em são paulo

sombra em recife

sombra em leiden

sombra em amsterdã

sombra em wuppertal


sombra em berlim



o saldao 2013 vai ajudar a financiar os custos do meu trabalho de conclusao de curso, sobre mulheres vivendo com hiv. se interessar, clica aqui. brigada :)

Sunday, July 14, 2013

pequenas considerações a respeito de uma cidade que achei que tinha gostado mas não gostei tanto assim

esse post ia começar na verdade com um apanhado sobre o festival de fotografia de dublin, mas não tenho nada pra dizer que interesse a vocês, nem a ninguém.

dublin tem cheiro de madeira, e as pessoas não falam como brad pitt naquele filme. em dublin não tem árvores, nem placa com os nomes das ruas, que ou não existem ou o tempo apagou (as placas, não as ruas).  o cigarro é caro, a comida é cara e ruim, como os ônibus. muito ruins.

temple bar tem alguma coisa de recife antigo nos anos 90 e tinha o menino ruivo tocando bob dylan, que eu tirei foto na yashica, e joguei 20 centavos porque não tinha mais, e ele não riu, nem agradeceu, porque com bob dylan não é pra rir.

eu andei por dublin com a yashica e em merrion square fiz uma foto muita bonita de um pano voando, no dia do aniversário de clarissa, que fez 30 anos, e mandei um sms. comi um magnum de amêndoa que me custou três euros, e cigarro não consegui comprar, pois não sei o nome das marcas de tabaco na irlanda e o vendedor está proibido de me mostrar.

em dublin fumei apenas o cigarro dos outros.

em dublin eu vi uma corrida de cachorros e até ganhei rodada, quando apostei numa cachorra chamada jacks top girl. 3 euros eu ganhei. não dá pra uma cerveja (em dublin, porque em berlim daria pra duas).

em dublin, me disseram que eu fotografo como garcia marquez escreve (eu agradeci) e que é pra eu me manter caótica, não me alemoar.  não sei se ajuda.

em dublin eu vi dois cisnes no liffey, parados, olhando pra água e pensando. eu sei como eles estão se sentindo. diante das minhas tantas desgraças cotidianas, eu também tenho me perguntado muito o que fiz, como vim parar aqui, qual minha parcel de culpa (e se você é um cisne vivendo no liffey, deve se perguntar o mesmo).

pra voltar pra casa da gilda, onde to ficando, no phoenix park, eu só preciso seguir a lua, ela mora embaixo, e na frente passa o rio, e é bem bonito, mas o cisnes moram na parte feia, não me pergunte porque.

em dublin eu não vi um supermercado, mas a topshop é aberta de domingo, mas como eu não almoço vestido, não ajudou em nada. comprei uma paella no parque, era paella knorr. fiquei muito triste, tava muito ruim.

dublin tem ronan, que eu achei muito bonito, meu deus com quem ele parece? é com alguém famoso de cabelo cacheado. eu achei ronan muito bonito e parece que ele gostou de mim. ontem eu fugi da vernissage porque ronan é muito bonito, parece que gostou de mim e eu tenho um namorado muito bonito que gosta de mim mais do que ronan, mais do que todos. ronan mandou eu fazer um livro com as minhas fotos. e hoje perguntou porque eu sumi ontem e pediu pra eu ligar pra ele e eu disse um-rum e ele perguntou "promete?" e eu prometi mas era mentira.

Wednesday, July 10, 2013

enquanto isso, no flickr








woohoo

vou hoje pra dublin, pro festival de fotografia. não vou levar computador, tem uns posts programados, mas tô curtindo a ideia de ficar offline por uma semana.

torçam por mim, que tem prêmio envolvido!

beijos e até depois!

Monday, July 08, 2013

morte e vida do meu projeto de conclusão de curso, parte 6

procurando as referências do meu projeto, fui à 25books (uma livraria dedicada apenas e apenas à fotografia, muito boa) esses dias e perguntei pro dono: "o senhor tem aí algum livro dedicado a HIV/Aids" para o que ele respondeu: "não, mas tenho sobre prostituição".

eu fiquei frustrada, porque série sobre prostituição não me ajuda em nada, mas achei interessantíssimo que a reação dele, tão espontânea, reflete muito do que se pensa, ou se como se pensa HIV/Aids. a primeira associação é com sexo, e com sexo "sujo".

o único trabalho que conheço - e de que gosto - é aids em odessa, de andrea diefenbach. semana retrasada ela deu um seminário pra minha classe. contei pra ela a história da 25books e perguntei pra ela se ela tinha algum trabalho pra me indicar, e ela, depois de pensar um bocado, disse que conhecia apenas a série de nicholas nixon, people with aids.

(e quando me refiro a algum trabalho fotográfico que se dedique ao tema, não me refiro as fotos que usam no jornal, não me refiro nem a hard news nem a série de retratos de pessoas vivendo com HIV em NY, nem em Johannesburgo, mas sim a um ensaio fotográfico, uma pesquisa estética em fotografia).

tem a série de darcy padilla, the julie project, que é estupenda, mas não é sobre viver com HIV (muito embora a julie fosse positiva; não sei se dá pra entender o que quero dizer).

então estou aqui fazendo uma coletânea bem gaga de abordagens e histórias que me inspiram, jeitos de contar uma coisa que seja pelas beiras, e não pelo meio. eu gosto muito de einer, de fred huening. pode-se dizer que a série é sobre o aborto natural que sua mulher teve, mas o jeito que ele contou fez com que, no fim das contas, a história ficasse muito mais universal, deixando de ser sobre um drama pessoal e passando a ser uma fábula sobre perda e morte.

fiquei fascinada por essa abordagem e - lucky me! - fred foi aluno da minha professora orientadora.

outras referências mais avulsas são o retratos de lina scheynius - aos quais sempre volto, quando quero inserir banalidade nas minhas fotos - e as investigações sobre o corpo de jocelyn lee, que acho sempre certeiras, sempre misteriosas.

e por fim, encontrei uma foto de um cara que detesto, alex prager, mas achei a imagem a cara da manuela (que tenho fotografado uma vez por mês) e quis guardar.









para ler a parte 5.
para ler a parte 4.
para ler a parte 3.
para ler a parte 2.
para ler a parte 1.

Sunday, July 07, 2013

dizeres de domingo diante dos meus acontecimentos de junho

Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
Tempo de absoluta depuração.
Tempo em que não se diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.
E os olhos não choram. 
E as mãos tecem apenas o rude trabalho.
E o coração está seco.


Em vão mulheres batem à porta, não abrirás.
Ficaste sozinho, a luz apagou-se,
mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.
És todo certeza, já não sabes sofrer.
E nada esperas de teus amigos.


Pouco importa venha a velhice, que é a velhice?
Teu ombros suportam o mundo
e ele não pesa mais que a mão de uma criança. 
As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios
provam apenas que a vida prossegue
e nem todos se libertaram ainda.
Alguns, achando bárbaro o espetáculo,
prefeririam (os delicados) morrer.
Chegou um tempo em que não adianta morrer.
Chegou um tempo em que a vida é uma ordem.
A vida apenas, sem mistificação.




os ombros suportam o mundo, de drummond, ssugerido madrugada dessas por xinaider carpeggiani.

Friday, July 05, 2013

morte e vida do meu projeto de conclusão de curso, parte 5

completamente perdida, não sei nem por onde começar, apesar de já ter começado a fotografar (como encontrei mulheres hiv-positivo eu conto depois). me sinto confusa com o formato, me sinto confusa com a abordagem.

é preu continuar com a mamyia 7? ou é pra eu voltar pra pequeno formato, que é onde sei que sou boa?
joerg diz que sim, ute diz que não, jakob diz que não, uli hagel diz que sim. e eu mesma não sei. acho o médio formato tão higiênico, tão silencioso, tão focado e eu sou tão barulhenha. esse contraste me complemente ou me cala?

todo mundo diz alguma coisa, principalmente que eu devia voltar a fotografar como fotografei a série sobre vovó. só que a série de vovó tem humor porque ELA é assim e não eu.

eu fico apenas pensando: se os amigo de madonna tivesse dito a ela pra ela gravar outro disco como o like a virgen, nunca teríamos chegado em like a prayer, certo?

eu já fui pra renânia do norte duas vezes, passei uma semana cada vez, pra fotografar minhas mulheres, mas a verdade é que fico andando em círculos.

enquanto eu não sei pra onde vou, deixo aqui umas fotos bonitas das coisas que fotografei quando não estava pensando em fotografar.


mapa na trilha que leva ao túmulo de pina bausch

pôr-do-sol na casa dos pais de moritz, 
onde fiquei hospedada

pina bausch

vidro

trem


para ler a parte 4.
para ler a parte 3.
para ler a parte 2.
para ler a parte 1.

Thursday, July 04, 2013

tipo náufrago

eu acho que gosto,
não sei bem,
porque enrola a foto
mas o efeito é bonitinho, vai
(via
i love this pic)


dizeres de terça-feira, quase meia noite, enquanto andávamos a caminho de casa

"(...) eu já sei que o céu azul, que na primavera tem flores e que o amor dói, porra. me diz algo que eu não sei. ou me diz alguma coisa ridícula. ou me faz uma confissão".


homenagem ao meu canceriano favorito, ricardo domeneck, no dia do aniversário em que virou adulto.

Tuesday, July 02, 2013

pra wislawa szymborska,

minha canceriana favorita, no seu aniversário, um trecho do seu poema museu, que me fez pensar em mim e eu, leonina e não canceriana que sou, te homenageio hoje, wislawa, mais me consolando a mim, do que celebrando a ti:

Quanto a mim, vou vivendo, acreditem.
minha competição com o vestido continua.
e que teimosia a dele!
e como ele adoraria sobreviver!


enquanto isso, no freak