Sunday, July 14, 2013

pequenas considerações a respeito de uma cidade que achei que tinha gostado mas não gostei tanto assim

esse post ia começar na verdade com um apanhado sobre o festival de fotografia de dublin, mas não tenho nada pra dizer que interesse a vocês, nem a ninguém.

dublin tem cheiro de madeira, e as pessoas não falam como brad pitt naquele filme. em dublin não tem árvores, nem placa com os nomes das ruas, que ou não existem ou o tempo apagou (as placas, não as ruas).  o cigarro é caro, a comida é cara e ruim, como os ônibus. muito ruins.

temple bar tem alguma coisa de recife antigo nos anos 90 e tinha o menino ruivo tocando bob dylan, que eu tirei foto na yashica, e joguei 20 centavos porque não tinha mais, e ele não riu, nem agradeceu, porque com bob dylan não é pra rir.

eu andei por dublin com a yashica e em merrion square fiz uma foto muita bonita de um pano voando, no dia do aniversário de clarissa, que fez 30 anos, e mandei um sms. comi um magnum de amêndoa que me custou três euros, e cigarro não consegui comprar, pois não sei o nome das marcas de tabaco na irlanda e o vendedor está proibido de me mostrar.

em dublin fumei apenas o cigarro dos outros.

em dublin eu vi uma corrida de cachorros e até ganhei rodada, quando apostei numa cachorra chamada jacks top girl. 3 euros eu ganhei. não dá pra uma cerveja (em dublin, porque em berlim daria pra duas).

em dublin, me disseram que eu fotografo como garcia marquez escreve (eu agradeci) e que é pra eu me manter caótica, não me alemoar.  não sei se ajuda.

em dublin eu vi dois cisnes no liffey, parados, olhando pra água e pensando. eu sei como eles estão se sentindo. diante das minhas tantas desgraças cotidianas, eu também tenho me perguntado muito o que fiz, como vim parar aqui, qual minha parcel de culpa (e se você é um cisne vivendo no liffey, deve se perguntar o mesmo).

pra voltar pra casa da gilda, onde to ficando, no phoenix park, eu só preciso seguir a lua, ela mora embaixo, e na frente passa o rio, e é bem bonito, mas o cisnes moram na parte feia, não me pergunte porque.

em dublin eu não vi um supermercado, mas a topshop é aberta de domingo, mas como eu não almoço vestido, não ajudou em nada. comprei uma paella no parque, era paella knorr. fiquei muito triste, tava muito ruim.

dublin tem ronan, que eu achei muito bonito, meu deus com quem ele parece? é com alguém famoso de cabelo cacheado. eu achei ronan muito bonito e parece que ele gostou de mim. ontem eu fugi da vernissage porque ronan é muito bonito, parece que gostou de mim e eu tenho um namorado muito bonito que gosta de mim mais do que ronan, mais do que todos. ronan mandou eu fazer um livro com as minhas fotos. e hoje perguntou porque eu sumi ontem e pediu pra eu ligar pra ele e eu disse um-rum e ele perguntou "promete?" e eu prometi mas era mentira.

7 comments:

querido diário said...

Adoro a forma como escreves :)

ALMAS CONGRUENTES said...

Amazin

ALMAS CONGRUENTES said...

uncommon

Luciene Vieira said...

já te disse que te amo, há muito?

Ulisses Carrilho said...

vou fazer eco ao pedido:
não te alemoa, ivi

ilkalina said...

Ivi, menina, sempre uma delícia te reencontrar nem que seja nessas linhas. Pára o marasmo do cotidiano. E parece que tô vendo tu falar. rsrs Bjão!

renato andrade said...

às vezes quando entro aqui tenho vontade de abraçar ivi.

beijo do seu leitor fiel carioca-leitor-fiel.