Wednesday, July 22, 2009

35. eu tenho que me lembrar todo dia

dos reais motivos dessa viagem. todo dia é um teste de distração, e eu me pego triste porque não consigo achar um vôo barato pra roma, ou porque gastei 2 euros a mais do que o planejado para aquele dia. perco completamente o foco.

eu fico nervosa e com raiva que as coisas são mais difíceis do que pensei. fico ansiosa querendo que setembro chegue logo. e tento me lembrar que certas alegrias que tive desde que cheguei aqui nunca estiveram no plano inicial - e que se elas não tivessem acontecido talvez eu não estivesse tão serelepe pela europa. "como seria viajar sem essa sensação, hein, ivi?? antes de estragar tudo com sua ansiedade, que tal ter um pouco de gratidão pela sorte que teve?", eu fico me dizendo. se tantas coisas boas não tivessem acontecido em portugal, talvez eu tivesse curtindo mais córdoba. mas minha cabeça sempre deixa o momento presente para lá e dá uma viajada para o norte, o norte, o norte...

na minha primeira semana em lisboa eu senti um coisa que nunca senti antes: o tal do carpe diem. nunca imaginei que, sendo como sou, experimentaria essa sensação. mas na minha primeira semana em lisboa esse ensinamento se revelou para mim. eu não queria que o tempo passasse nem mais devagar, nem mais rápido - eu senti o sabor de cada segundo, até dos ruins, sem nenhuma pressa, e também sem nenhum tédio. eu posso dizer que nesses dias eu estive plena.

depois fui para córdoba, e aqui foi como reviver a experiência trancoso - uma solidão absurda, que faz a gente pensar sobre tudo sem parar (exercício bom, vale dizer) - só que sem o prazer do ambiente. em trancoso, o exercício do auto-conhecimento foi intenso mas eu tinha a ajuda das coisas ao meu redor, o silêncio, a beleza, a natureza... o sururu!! córdoba, no entanto, ficou muito normal depois do 3º dia, quando eu já tinha visto tudo o que tinha para ver.

foi difícil a passagem por córdoba, confesso. aprendi muito muito sobre história das religiões, aprendi sobre a cabalinha, meu espanhol melhorou 800%... mas afora isso, foi difícil.

eu tento me acalmar e pensar que tudo nos próximos meses é provisório e passageiro - e isso serve tanto para me tranquilizar num momento ruim, quanto para me pôr no meu devido lugar quando estou muito eufórica. eu fico me dizendo que eu tenho que ser uma boa companhia para mim mesma, afinal eu só tenho a mim aqui.

e tem mais: acho que córdoba foi um bom ensaio para o auto-exílio que vou fazer na sicília. onde vou ficar três semanas. sozinha. so zi nha.

mas chega. eu tenho que falar pra vocês sobre madrid. madrid. madrid. estou apaixonada.

5 comments:

casa de especiarias said...

ô ivi, tais tirando bem muitas fotos, pra depois deixar todo mundo feliz divulgando pra geral, né??!

beijos de carinho:)
=*

Márcia Mesquita said...

como diria marisa monte, antes de ser feliz com os outros, temos que ser felizes sozinhos - afinal eu preciso me achar bem legal para aguentar ficar só comigo o tempo todo, né? às vezes é chato, mas por outro lado, as coisas ficam muito mais intensas e particulares, não é mesmo? então se joga!!!

várias pessoas amigas vêm me falar que estão lendo seu blog e amaaando!!!

bjss

Jennifer said...

Ivi, estou amando o "bombardeio postalino" hehe

Tu tá tirando fotos? Se sim devem ser lindas como seus relatos!

Beijos

casa de especiarias said...

ô ivi, tu tá tirando bem muitas fotos pra depois deixar todo mundo feliz divulgando pra geral, né?!

bjus de cariiiinho:)
=*

Arte de Viver em Recife said...

eu a m e i madrid!