Thursday, August 06, 2009

61. v de viaggio di merdi, hihi

continuando:

meu trem desembarcaria na taormina às 04h37, e seria muito cedo e não teria sol e a dona do apê que aluguei disse que não ia poder me buscar na estação porque é muito longe ("longe", 6km, meu cu, mas depois eu entendi porque ela acha longe: a taormina inteira tem bem menos que isso de extensão hahaha) e eu não queria mais sair do lado de minha anja vittoria então simplesmente decidi ficar no trem e descer com ela em catania, a uma hora da taormina, e ficar com ela (quem sabe ela não me chama pra morar com ela pra sempre e eu nunca mais tenho que enfrentar a sicilia sozinha?) até o sol aparecer, e voltar pra taormina. completamente idiota, eu sei, mas eu tava tipo com muito medo dos caras lá.

chegamos em catania, já estava clareando, ela me ajudou a comprar o bilhete de volta mas não me convidou pra ir pra casa dela. a estação estava vazia vazia, ma va benne, pelo menos estava claro. estava eu sentada quando de repente começa a chegar um monte de imigrante africano, de bolo, e foram todos se sentando ali perto (minha gente pelo amor de deus não me encham dizendo que estou sendo racista, em lisboa fui roubada por dois imigrantes africanos e por isso meu trauma e se eu tivesse sido assaltada por dois imigrantes russos ia ter pavor de imigrantes russos, assim como tenho pavor de recifense desocupado hahaha por favor não quero discussões sobre racismo aqui) e meu pavor cresceu vertiginosamente. tentei seguir o conselho de vittoria "pára de fazer cara de gringa" que acho que significa mais ou menos "pára de fazer essa cara de cu de '?'" mas eu realmente estava mais perdida do que o futuro político da itália.

mas afinal o trem chegou (esse tinha ar condicionado, acho que é uma questão de sorte, mesmo) e cheguei na taormina com o bigode preto de fuligem, muito cansaço e uma mini vontadinha bem pequena de chorar - pelas mesma razão de sempre "é foda ser mulheeeeeeeeer nesse mundo de homens idiotas - menos armin, meu avô, ernesto, leandro, xinaider, carlois e celo".

desci na estação e fiz o impensável (afinal sou gringa e não falo italiano): peguei um táxi durante a alta estação na taormina, que é mais ou menos o equivalente de ser alemão e chegar em porto de galinhas e pegar um táxi pra ir pra maracaípe: você vai ser enganado.

o taxista subiu uma ladeira, pegou a esquerda e disse: é aqui, vinte euros por favor.

mas eu tava tão cansada que quase beijei ele só pelo fato dele existir.

desci do taxi, toquei na campainha e só aí que eu lembrei de olhar para trás.

e nesse momento eu entendi a exata, a mais precisa, a mais perfeita "personificação" da palavra paradiso.

12 comments:

guiavila said...

amando, como sempre, tudo por aqui. beijos.

lia_l said...

Oi Ivi, estou adorando seus relatos de viagem. Sei bem o que tu passaste nesse trem pra sicilia, porque passei o mesmo indo num trem todo esculhambado de roma para napoli.

Se vc vier pra Berlim, avise. Certeza que vc irá amar isso aqui tb.
bj

Lia

Sil e MP said...

Eu to rindo muito da sua saga na Itália! É complicadíssimo, mas é verdade. Termini é um lugar mega estranho né? O trem que peguei de lá pra Veneza não era pixado, mas não tinha identificação de onde ficava o seu vagão. Então, quem ajudava eram uns "rapazes" que até carregavam sua mala até o seu assento. Tudo por uma módica contribuição. Até ai, tudo bem, mas, chato mesmo, era que a cada parada (são 4 horas até Veneza) subia um no trem e entregava um papelzinho escrito algo como "tenho uma filha doente, por favor contribua", um mais mal encarado que o outro. E a senhora que viajava ao nosso lado, típica mama italiana, a cada um dava uma moeda de 1 centavo e gritava que não acreditava naquilo, bando de mentirosos, etc... Eu tremia de medo, achando que uma hora, iam pular em cima dela. Viu flanelinha em Roma? Nós vimos, com rodinho e tudo pra lavar o vidro durante o sinal fechado.
Também sem entrar nessa de racismo, mas em Veneza, tinha uns imigrantes vendendo bolsa falsificadas. Ai, eu e meu marido passando, conversando no bom e velho português, eles já vinha e diziam: "Brasileiros!! Bolsa! Bolsa! Channel!", e simplesmente empurrando pra cima da gente. Agradecíamos e eles continuavam a insistir, chegou a um ponto, que tinhamos de ser grossos. Para eles era assim: se somos brasileiros, gostamos de bolsas falsificadas. Tanto é que, quando passamos perto do local por onde chega o pessoal dos cruzeiros tinha uma placa da polícia falando da multa, do crime, de que você contribui com sistema escravista, etc.... em ingles, italiano e portugues. E a nossa começava assim: brasileiros, não comprem.... Só pra terminar, o trem que pegamos não tinha cabine, afinal, viagem rápida, se você for usar um trem desses, que tem o lugar exato para por bagagem, se precisar colocar sua mochila lá, além de cadeado em cada ziper, favor prende-la ao maleiro, como se fosse uma bicicleta. É comum roubarem ou mexerem. Triste né? Mas é assim no mundo todo.

vodca barata said...

lia, eu vou sim!! chego aí dia 06 ou 07 de setembro, não estou muita certa. manda um email pra mim vdcabarata@gmail.com

beijo!

beijos em todas!
:*

Paula said...

Ivi, querida.

Mal tenho lido sobre o seu diária de viagem, pois tenho trabalhado mais do que carrinho de mão em feira... Aproveitei os minutos de almoço que tenho e vim te ler, assim, tudo num fôlego só. Menina, quantas aventuras, hein? Fico feliz por tu, mesmo com alguns momentos cagaços, sei que está superando de boa.

Ó, toda noite antes de dormir, procuro mandar boas energias para aqueles que eu quero bem, tu está no entre eles, sempre.

Um cheiro, muita luz.

Paula.

Márcia Mesquita said...

COMOA SSIM
TA INDO POR CAPITULOS? CONTINUA!
hahahaha
to ansiosa, tá tipo novela quando acaba sábado a noite e vc so vai saber o resto na segunda! hehehe

beijos ivo!

vodca barata said...

paula, nada me emociona mais do que ler "mando energias boas", porque é disso que mundo bom é feito. eu fico muito gradicida de ser uma das pessoas na sua lista de mandamento de amor.

eu tb, todas as noites encho o saco de deus agradecendo de montão, e todo dia, na minha grande lista, tá lá: cuide bem de todas as minhas leitorinhas.

beijo pra tu, beijo pra todas
:*

Nina, said...

Relaxa, ce tà no sul da Itàlia! E por là é tudo meio estranho mesmo... Saùde, educaçao, polìtica em situaçao de degrado, atrasado. E toh falando isso sem preconceito, nao vou nem comparar com o norte.
Bem, historicamente, o sul foi ocupado por espanhois e portugueses por muito tempo e isso por si sò pode te dar uma noçao do legado que eles deixaram.
Quanto ao lance dos camelos que a garota esceveu aì em cima, deve-se pensar que o estilo de vendas é globalizado, do Largo 13 em Sto. Amaro (SP/SP) à Camden Town passando por Piazza Spagna ou Venezia. Imagino, a gente no Brasa pensa: "Poh, mas camelo nas Zoropa? Que 'bsurdo!!!" Pois é, aqui é igual ao que vemos no Brasil...

Bom, Dona Ivi, ti auguro un bel soggiorno in Italia e voce verà que os italianos nao sao tao maus. Voce gostarà de estar na Sicilia.

E voce vem pra Milao? Se sim, conta comigo pra um role na cidade.

Beijocas,

Nina Ninoca.

luísa. said...

tou viciaada em entrar aqui e ler os relatos, quando não tem post novo fico triste haha
suponho que não vais voltar pra espanha, né? se quiser, meu apê lá em sevilla (que eu só vou achar quando chegar) tá de portas abertas ;P

Paula said...

CARALHOOOOOOO, IVI!

EU SOFRO DE DISLEXIA, SÓ PODE! Escrevi tudo sem noção de concordância. Milhões de desculpas para tu e para as leitoras! Aí, que vergonha!

Beijos.

Veridiana said...

oh my!
eu morei na itália e acho que você está atraindo tudo isso pela "mochila" nas costas mesmos... os marroquis são um saco, perseguem as pessoas... mas aprende a falar algo em italiano e fale como uma italiana (ou seja gritando e sem dó) que eles somem da sua frente... eu tbm tive muito medo em estações de trem, domingo é o pior dia para viajar, é realmente tudo vazio e os trens demoram mais a chegar, só viajei uma vez no domingo e passar pela experiência de ficar sozinha em uma estação já me fez aprender.
tbm achei poética as viagens da primeira vez, mas depois um completo saco, mas acho que a sicilia é um bom lugar para aprender a encarar tudo isso de uma maneira temporária.
só cuidado para não se apaixonar por um mafioso hein? ahahah!

eu me prepararia psicologicamente para napoli. sinceramente.

juro para você, que... você ainda vai sentir saudade de tudo isso.

baci
arrivederci

vodca barata said...

irene vc esta completamente certa, eu agora nao quero sair da sicilia nunca mais! agora que entendi como as coisas funcionam, como as pssoas sao, estou completamente apaixonada!

eu me sinto muito mal em dizer isso, mas acho que troquei jana pela sicilia hahhahahahaha

;*