Thursday, July 22, 2010

autojornalismo

o destino se chama destino e é o que é porque tem método.



tarde




noite


(eu tô tão feia (e tão bêbada) nessa foto que nem acredito que o sofrimento faz mesmo a gente ficar com cara de picasso).











a manhã
a foto que tirei quando acordei





é perfeito o destino e sua régua. não que eu goste do meu, mas é perfeito, é perfeito.

é por isso que eu não ligo muito pra essa coisa de ser fotógrafo, não mais, desisti. o povo tá mais preocupado com o resultado final e com o elogio do que com a coisa que tá na frente da câmera.

e todos sabemos que eu só me preocupo com o que está na frente da minha câmera porque o que na frente da minha câmera sou eu mesma.

quando me perguntarem o que faço, vou responder: "sou autojornalista".

14 comments:

Mariana Gazinhato said...

ouvi Vento no Litoral e lembrei de você...

Um abração :D

siii! said...

ivi do céu.
não sei o que dizer. tua carinha de triste é doída.
e sabe o que mais me deixa triste: tirando a foto que tu ta tascando uma beijola em dudu, eu mal tinha visto teu rosto. e me dói ver ele assim, machucado.

desculpe. eu realmente não sei o que te dizer.
eu só espero, com toda a força do meu coração, do meu pensamento positivo, da minha energia, de tudo de bom que eu possa emanar que tu fique bem logo.

seja para o que for. seja para o que tu decidir.
e não precisa publicar o comentário... eu só quis mesmo te dizer que mesmo a gente não sendo amiga de porta, prédio, cidade ou estado, eu, assim como muitas pessoas que te visitam aqui, te gosto e torço pelo teu bem.

e mesmo acreditando que o tempo não cura as coisas, só tira o que não pode ser curado do centro das (nossas) atenções, é só isso que eu posso querer pra ti agora: que a tua atenção seja sequestrada por qq outra coisa que te leve bem longe de todo esse mal que tá contigo agora.

Karinny Cezar said...

Ivi, nada se compara à sua sinceridade e criatividade. A gente fica aqui do outro lado só assistindo arte sendo feita. Todo tipo de emoção. Foda-se o destino! O processo é o que importa.

you might find said...

quero tanto te dar um abraço.

...

sinta-se abraçada, ivi.

you might find said...

quero tanto te dar um abraço.

...

sinta-se abraçada, ivi.

vinhutopia said...

eu chorei também.


Ivi, te leio ao menos de 1 mês e já sou apaixonada por você.
Você é linda, inteligente e sincera.

muita luz, ivi.
que teu anjinho te proteja.

Jowzinha said...

Menina...
Q loucura td isso...
É importante só ligarmos msm p o q etá na frente da nossa câmera.
O resto é resto.
E eu falo de câmera como sendo nossos olhos!!!
Qdo vi a foto q vc tirou ao acordar,
pensei outra coisa,
mas ainda bem q n foi o q pensei!!!
O seu rosto n me parece feio...
Só mostra os machucados q temos q sofrer constantemente pagando o preço de viver nesse planeta doente buscando cura p cabeça e p coração sem nunca encontrar...
Eu vejo blz nesse rosto q buscou a embriaguez como forma de tratamento,
de descobrimento,
seja lá do q for!!!
É um sentimento só teu
e ninguém pode tirar
ou dizer q é absurdo!!!
Eu te adoro
e te desejo melhoras disso td!!!
N para com esses textos maravilhosos!!!

=**, Jowzinha

Pri said...

Oi Ivi,

Você ótima em autojornalismo e em udo que vc faz. Suas fotos tem alma.

Tbm não sei oq te falar , só desejo que vc fique bem !!!

bjinhos

Natalia Venturini Pessutti said...

Vc é pura arte!!! Vc conseguiu passar pra mim toda sua dor através de suas fotos. Isso é o que o verdadeiro artista faz, mostra o mundo visto pelos próprios olhos e nos faz sentir algo que não é nosso, e isso toca fundo. Outro dia li algo interessante: "When you really look at something, it becomes part of you", acho que tudo isso já está fazendo parte de mim.

fine little drops said...

tuas lágrimas arrancaram algumas minhas... aliás, arrancaram várias de todos nós né?

de certa forma, isto tudo está me lembrando a marina abramovic: tudo tão denso, tão pesado e bonito, ao mesmo tempo...

um bjão enorme no peito amiga!
(pq já me sinto sua amiga, de tão profunda e compartilhada q está esta dor...)

se cuida tá
=*

Carolina said...

Dói.
Mas passa.

Chora não, tu é tão linda quando sorri.

Grande abraço e cuide-se, todos nós estamos torcendo por você

*manda muito amor pra Ivi*

Vanessa Negrão said...

eu tenho um problema parecido com o que vc escreveu uns posts atrás, de fazer tudo ser sobre mim. outro dia eu estava com um bofe lhindo, que eu queria muito, e não conseguia me concentrar no momento, só no que eu queria que ele significasse pra mim e em como eu me sentia a respeito. pergunta se o bofe deu notícia desde então? acho que fica um pouco óbvio que o importante é meu umbigo, o meu reflexo no olho dele. o que ele provoca em MIM. esqueci que tinha outro.

(não sei se faz sentido o que eu quis te dizer, mas né? hahahaha)

.
.
.

e aí, por causa disso (da conclusão) e de miliuma coisas, eu também chorei chorei chorei. e fotografei. e o resultado parecia muito com o seu e eu... deletei foto. doeu demais, sabe?

e dói igual quando eu leio você escrevendo o que parece que ~eu~ pensei e vendo minhas fuça nas suas.

e todos esses três milhões de caracteres desconexos são pra dizer: te entendo. bota aqui a cabeça nos nossos ombro, dá a mão e chama se precisar.

=*

Fê Resende said...

coração cheio é assim mesmo. explode e alcança todo mundo em volta (todo mundo que abre o coração pra sentir também). engraçado como a gente acha que o coração pode estar cheio de vááárias coisas mas né, no fim o que tem é amor. de muitos jeitos diferentes, mas amor. <3

Dani said...

Li uma matéria lá no Suplemento Pe. que me lembrou este trabalho que você fez neste post. A frase é a seguinte: "nunca penso nas minhas imagens como um projeto, eu simplemsnete vivo as situações e as fotografo. É depois que eu descubro as imagens". A frase é da fotógrafa mexicana Graciela Iturbide. Achei sua cara.