Saturday, August 28, 2010

achim, substantivo masculino

do alto do seu 1,93 deitado, com aqueles não-cachos que eu nunca vi, e os olhos azuis que dubai conheceu em blues.

(em mim marcada a sua impossível habilidade de ser charmoso, quando disse que era bom que o áudio do filme fosse em coreano e que eu, assim, fui pro bar e que assim nos encotramos no bar e que assim devíamos ir embora, "é, o vinho acabou e a música ruim", "não, tabacuda, não quero ir pra outro bar").

nos olhamos num edredon.

a primeira coisa que ele me falou, de manhã:

"eu gosto de você sem maquiagem. eu gosto que seu rímel está agora no meio da suas bochechas".



ele, que pra china se apronta, enquanto eu dizia às escadas:

"espero que a gente nunca mais se veja de novo".

é que assim ele nunca vai poder me deixar.

achim.



o menino do meu recomeço.

7 comments:

Tati Marques said...

yup, yup!
quero saber de muitos olhares no edredom ainda!
no bom sentido...

bjs,
p.s. sério, estava muito preocupada com vc.

syonara said...

\0/

G.O. said...

e é assim q se recomeça.
tô com vc~

Madalena said...

(Nao sei como te chamar ou que pronome de tratamento usar),
acompanho o seu blog a um consideravel tempo, tanto que já perdi a conta dos meses, dias e sentimentos despertados.. também me sinto tao mais pertencente do mundo quanto desse pedacinho de terras e pontes que é recife.. Já ensaiei algumas idas, porém acabo semeando meu futuro por entre uma ponte e outra.. Saibas que desde sempre me identifiquei bastante e desejei o melhor para ti, pois com o teu sucesso eu sinto como se a parte de mim que não conseguiu de ir embora se encorajasse um tantinho mais para se emancipar dessa terra louca, desses janeiros calourentos,
com todo o carinho,
uma leitora que sempre quis se chamar Madalena.
então hoje é assim que assino.

Christiane said...

Você também sofre com a expectativa do retornp? Sempre que ouço o barulho do elevador penso que pode ser ele, quando o telefone toca... Isso é o que mais me mata.

Pérolas Falsas said...

Ivi
Compartilhando um post seu, eu escrevi...
"Não é todo mundo que vai gostar, mas essa menina escreve de um jeito que eu quase posso sentir a dor que é só dela. Assim como, de alguma forma, parece que ela compartilha, sem saber, um pouco dessa dor que é só minha. Às vezes temos tudo e, mesmo assim, em alguns momentos, o conforto e a solidariedade mais funda vêm de um estranho que você reconhece no meio da multidão."
Queria que vc soubesse. Obrigada pela sua coragem.
bjs
Francine

Jowzinha said...

Sua dor é tão profunda,
mas tb é tão reflexiva.
Parece q vc quer ensinar alguma coisa a gente e
se for essa a intenção tua,
saibas:
tu ensinas!!!

=**, Jowzinha