Tuesday, June 07, 2011

é muito grave

nao sei se vocês estao por dentro do caso dominique strauss-kahn. esse senhor era diretor do FMI e apontado como o futuro presidente da franca.

alega-se que no dia 14 de maio, ele tentou violentar uma camareira do hotel em que ele estava hospedado. ele foi preso no aeroporto, onde iria pegar um voo para paris.

a camareira prestou queixa contra esse senhor que, sob fianca de um milhao de dólares, vai responder pelo processo em prisao domiciliar - por "prisao", entenda um apê em manhattan que custa 14 milhoes de dólares.

coisa grave #1:
um homem, preso em flagrante sob acusacao de estupro, paga fianca e vai pra uma mansao suspensa na cidade mais legal do mundo. o que fica aqui é: a dignidade dessa mulher tem preco. quando NAO devia ter.

coisa grave #2:
esse senhor, claro, alegou inocência ontem, quando foi convocado a se apresentar em juízo. em caso de crimes como esse, em que nao há testemunha (pois qualquer testemunha de estupro é cúmplice), o que vale é a palavra da vítima. devia ser proibido que alguém alegue inocência depois de ser acusado de uma coisa dessa. ninguém acusa de ninguém de estupro sem motivo. a lei diz que vale a palavra da vítima, mas é mentira: o que vale é a palavra do macho.

coisa grave #3:
li no jornal do commercio do dia 29.05 que a mulher dele, uma milionária colecionadora de arte chamada anne sinclair, está bancando toda a defesa deste sujeito. acusado de tentar violentar uma mulher. e tem mais: tristane banon, jornalista francesa, declarou, em 2007, que este sujeito quase conseguiu estuprá-la em 2002. ou seja, esse sujeito é perigoso. é inaceitável que uma mulher (principalmente uma que estudou nas melhores escolas e universidades) proteja um homem acusado de tentativa de estupro. ela devia lembrar que é esse homem que está ao lado dela, enquanto ela, totalmente vulnerável, está dormindo.

coisa grave #4:
espero que esta pobre camareira esteja preparada para a sujeirada que vai ser este processo. os advogados de defesa deste sujeito tentarao de tudo para mostrar o quanto ela mereceu o estupro. vao atrás de toda e qualquer fofoca desimportante para o caso que possam encontrar - se ela teve um caso extra-conjugal, se deixou de pagar uma entrada de cinema e entrou de graca, se roubou bala das lojas americanas, se beijou mais de um garoto numa festa, se usava seu uniforme de camareira muito colado, se foi gentil com esse sujeito. tudo o que ela é - que é o que ela e qualquer ser humano tem direito de ser - vai ser usado contra ela no tribunal. num caso como esse, é a vítima que é julgada, e nao o réu. isso é MUITO grave.

só espero que a justica americana, tao sensível em casos de assédio, abuso e violência sexual, seja sensata o suficiente para aplicar para este homem a mesma pena que um gari preto e pobre receberia, caso fosse acusado de tentar estuprar uma pessoa. se é que este sujeiro vai receber alguma punicao.

é desencorajador ser mulher.

21 comments:

Ana Martins said...

Adorei seu texto.
É realmente muito ruim esses casos onde a mulher acaba sendo a culpada pela violência que cometem contra ela. E isso é em qualquer lugar do mundo. Não importa o quão cool o país se proclame.

Gabriela Galvão said...

É. É um ultraje, tudo isso.

Minha campanha atual é qe olhássemos para as civilizações indígenas -elas sim, civilizadas- e aprend~essemos mais. Deixássemos de fazer uga!, uga!, para fazer 'buhuhuhuh'.

As índias podem aamentar onde qerem, andar peladas onde e a qe horas qerem e ñ pensarem qe a tomariam como pouco precavidas, oferecidas, ingênuas ou levianas por isso.

O único de bom até agora é qe a moça denunciou. Muito peito!.

vodca barata said...

é mesmo, gabi, eu também achei essa moca muito corajosa.

Sabrina Mix said...

Ai, não sei bem o que pensar sobre o assunto.

Não que eu considere estupro uma coisa pequena, longe de mim isso! Mas é que existem muitos interesses escondidos por trás dessa acusação.

Tanto pode ser verdade, quanto mentira.

Sinceramente, não dá para tirar uma conclusão sobre este caso.

Beijos e sucesso!!!

vodca barata said...

pois é, sabrina, é por causa de pensamentos como os seus que as vítimas de abuso sexual sao sempre vistas como ardilosas.

tudo que eu disse pode ser aplicado a qualquer caso de processos de abuso sexual.

Babe said...

Ivo, SUA LINDA.
Sempre com textos tão bacanas. É incompreensível a posição de algumas mulheres frente a casos como este e tantos outros. Triste.
1beijo

Gabis said...

Ivi, eu acho que entendo um pouco do que a Sabrina quis dizer e queria até ouvir mais de você a esse respeito. Li este texto outro dia (http://malvadezas.com/2011/05/20/evoluimos-parte-1-o-crime/) e fiquei pensando... Estupro é coisa séria, é coisa gravíssima e uma sociedade que julga a vítima ao invés de julgar o estuprador também pode inventar estupros, ainda mais no jogo de interesses da política.

Nesse caso, eu não quero que ele seja julgado nem como o gari, nem como o diretor do FMI que merece respeito e nem como o diretor do FMI que muita gente odeia por cobiçar seu lugar na política. Que ele seja julgado como uma pessoa que está sujeita a lei e que, dessa forma, a "justiça" (palavra errada, já que não existe justiça se estamos tratando de estupro) seja feita.

Claudia said...

Oi Ivi,
Concordo em tudo com seu texto! Absurdo é que começaram a insinuar que a moça "tramou" contra o pobre senhor!
Também fiz um texto sobre o assunto:
http://thewettingenpost.com/2011/05/22/macho-macho-man/
Aproveita pra treinar o Deutsch que o blog é bilingue.
Sou sua fã!

Isa said...

acho que a questão principal não é a guerra entre sexos e sim a guerra entre poderes. uma é uma camareira, outro é um cara podre de rico. em qualquer lugar no mundo o poder grita mais alto: e o poder está nas mãos dele por ele ser rico pra caralho e homem.

só espero que ele morra logo e pronto

vodca barata said...

olha, gabis, esse texto é ASQUEROSO, essa mulher simplesmente nao faz ideia do mal que ela faz ao ser uma das mantenedoras do pensamento "estupro? duvide".

tudo o que ela relatou é realmente absurdo.

e só pra terminar: é SEMPRE horrível acusar inocentes - sejam eles os réus ou as vítimas.

Gabis said...

Entendo, é importante o debate, obrigada pela resposta.

Eu fico aqui pensando comigo mesma o que existe a se fazer nesse caso. A sensação é sempre de impotência...

Sabrina Mix said...

Oi, Ivy!

A questão aqui não é se este crime merece ou não a punição justa, mas sim se ele aconteceu mesmo ou não.

Afinal, não é só a palavra de uma camareira contra a de um homem podre de rico, como você disse, mas existem muitas pessoas que teriam interesse em que ele fosse preso e não pudesse disputar as eleições francesas. Só isso.

Se o crime realmente ocorreu, ele deve, sim, ter o julgamento correto. Mas há também a possibilidade de não ter ocorrido. E não seria nem a primeira nem a última vez no mundo que alguém acusaria outra pessoa injustamente para obter vantagens pessoais.

É realmente um caso muito delicado.

vodca barata said...

eu só posso achar a tua opiniao machista, sabrina. além de racista: se o cara fosse pobre, você certamente nao pensaria assim - acharia que o preto pobre escroto que estuprou a menina devia ir pra cadeia.

se um réu é inocente até que se prove o contrário, a vítima o é ainda mais. acho absurdo duvidar da palavra de uma vítima - seja o acusado rico ou pobre.

Sabrina Mix said...

Bom, é direito seu pensar o que quiser, só estou expondo meu ponto de vista. E, como tenho um certo contato com o assunto, sei que existe muita "vítima" por aí.

Por ser um crime de foro íntimo, e até por poder haverem interesses por trás de tais acusações, neste caso, até que se prove o contrário, não há inocentes nem culpados.

vodca barata said...

é claro que é direito meu pensar o que quiser, gata, o blog é meu!

e o que é ter "certo contato"? com gente mentirosa? e o que é que você quer dizer quando escreve vítima entre aspas?

a única coisa que posso perguntar é: e se você fosse acusando alguém de estupro e todo mundo ao seu redor duvidando??

eu sei o que é isso e posso pedir pra você por favor parar de colocar seus comments misóginos aqui. já fiz o bastante e nao moderá-los.

Gabriela Galvão said...

Ô Ivi, em um primeiro momento 'evitei a fadiga', mas diante de alguns fatos, lembrei dessa beócia aí e vim falar uns trem.

Qal não foi -não mesmo!- a minha surpresa qando vi mais sandices.

Seguinte: esse povo aí tadinho acha qe é esperto, qe tem uma capacidade crítica das boas...
E é o mais tapado de todos. O mais cegueta, mais ingênuo, mais manipulado.

Olha, na maioria do tempo tenho preguiça desses otários, mas tem hora qe a raiva vem qe vem e ñ sei, ñ me parece de todo desarazoado exprimí-la.

Ñ sei se distorcem a lógica das coisas, porqe me parece muito qe nem chegam a alcançá-la.

Me parece incapacidade intelectual mesmo, e não por 'haverem' (huahauhahuh) motivos tipo falta de interesseem fazê-lo ou algo do tipo.

Valeu e beijos.

Gabriela Galvão said...

Ow, só mais isso: estupro,: crime de foro íntimo.: pras-suas-negas.

Eca!, sai pra lá!

Natasha said...

Achei próprio:
"In this world, shipmates, sin that pays its way can travel freely, and without a passport; whereas Virtue, if a pauper, is stopped at all frontiers."
- Moby Dick

O Leitor said...

Últimas notícias sobre o caso

Strauss-Kahn volta a tribunal em meio a suspeitas sobre vítima

vodca barata said...

pois é, "o leitor" (como se eu nao soubesse quem você é), é exatamente como eu disse: irao atrás de todo o passado dela, tentando encontrar qualquer falha que justifique o que esse sujeito fez. ou seja: "é, ela foi estuprada, mas antes disso ela estava envolvida em crimes de lavagem de dinheiro...".

ah, tá!

a cobertura do nytimes é bem melhor, by the way, porque deixa bem claro que além de terem dispensando um agressor alegando que a conduta da camareira era duvidável, ainda faz mencao ao background étnico dela de um jeito meio dúbio.

vodca barata said...

http://www.nytimes.com/2011/07/02/nyregion/new-yorkers-and-french-await-latest-dominique-strauss-kahn-legal-turn.html?_r=1&hp