Thursday, April 26, 2012

al-femea muito, muito puto da vida

o texto novo na coluna de samy adghirni, publicado ontem em seu espaco no site da folha de sao paulo, tem o seguinte título: "diplomatas e seus deslizes".

o artigo é simpático, o rapaz escreve bem. mas veja bem, leitora, ele usa o termo "deslizes" no título de um texto que enumera, na verdade, crimes (como o diplomata francês que fazia sexo com menores abandonados de brasília e lhes dava droga em troca). ele usa o mote da acusacao de assédio sexual contra o diplomata iraniano pra contar outras histórias que, no oitavo parágrafo, ele nomeia como "escorregao de diplomatas". isso mesmo.

assédio sexual deixou de ser um crime, na vista do sr. adghirni, e virou um escorregao. escorregao, minha gente. como se abusar de meninas de nove anos fosse tao inofensivo quanto mandar um sms bebado praquele ex-ficante uó chamando ele pra sair. como se abusar de meninas de nove anos fosse tao inofensivo quanto fumar um cigarro quando voce já conseguiu ficar dois dias sem fumar. isso sim é escorregao, senhor adghirni.

abuso sexual é crime e acaba com a vida das vítimas. se nao pra sempre, por muito tempo.

o senhor nao faz a mais do tamanho dessa dor, entao fique na sua.

ps: deixei um comentário lá que ainda nao foi e dificilmente será aceito, mas acho que todas as membras do al-femea que tiverem a fim podiam mandar seus comments presse senhor, porque né possível que ele escreva uma asneira dessas e a gente nao possa se emputecer.

ps2: nao sou imbecil e sei que acusacao é apenas acusacao, nao quer dizer que o iraniano lá fez o que dizem. verdade ou nao, nao vejo motivos pra nao falar do fato com a seriedade e respeito ao assunto devidos.

3 comments:

Nathalia Moraes said...

"O verdadeiro lugar de nascimento é aquele em que lançamos pela primeira vez um olhar inteligente sobre nós mesmos (...)"

Marguerite Yourcenar

anotei essa frase em um email velho. relendo lembrei de vc.

beijos ivi e força à al-femea

Aline said...

Também deixei lá meu comentário, que está aguardando moderação. Ele foi extremamente infeliz na escolha de palavras. Se quer tomar o cuidado de não culpar alguém antes do devido julgamento, ok, mas deveria ter escrito algo como o "diplomata suspeito de..." ou "acusado de..".
Foi extremamente triste a tentativa de não condenar alguém previamente desqualificando a conduta. Ok, consigo admitir que esse fulano é suspeito de crime. O que não engulo é que acariciar crianças seja adjetivado como escorregão/deslize. O adjetivo (suspeito) deveria recair sobre o sujeito. Os adjetivos escorregão/deslizes jamais caberiam na conduta descrita. Um crime (aqui e lá, no Irã) não é escorregão. Um deslize é leve, então, não poderia ser descrito para denomimar um crime. Fiquei fula.

Gabriela Galvão said...

Al-femea tocando o terror por lá, companheira!

(Beijo, Ivi!)