Friday, July 06, 2012

work in progress # 19

à procura de um título pro meu trabalho, pensei em "autotomia". porque, segundo o wikipedia, autotomia é a capacidade que alguns animais têm de se auto-mutilar pra se proteger do mundo.


e me lembrei desse poema de wislawa szymborska, escrito em 1972, que fala de mim e de você, querida leitora. 






autotomia


diante do perigo, a holotúria se divide em duas:
deixando uma sua metade ser devorada pelo mundo,
salvando-se com a outra metade.

ela se bifurca subitamente em naufrágio e salvação,
em resgate e promessa, no que foi e no que será.

no centro do seu corpo irrompe um precipício
de duas bordas que se tornam estranhas uma à outra.

sobre uma das bordas, a morte, sobre outra, a vida.
aqui o desespero, ali a coragem.

se há balança, nenhum prato pesa mais que o outro.
se há justiça, ei-la aqui.

morrer apenas o estritamente necessário, sem ultrapassar a medida.
renascer o tanto preciso a partir do resto que se preservou.

nós também sabemos nos dividir, é verdade.
mas apenas em corpo e sussurros partidos.
em corpo e poesia.

aqui a garganta, do outro lado, o riso,
leve, logo abafado.

aqui o coração pesado, ali o Não Morrer Demais,
três pequenas palavras que são as três plumas de um vôo.

o abismo não nos divide.
o abismo nos cerca.









pra ler o work in progress #18.

4 comments:

rafa. said...

Obrigada por compartilhar essa coisa maravilhosa. Vou ler 700 vezes e tentar absorver a dualidade da vida como algo natural (parar de guardar as duas partes para mim apenas)

Aline said...

Achei lindão e fodão.
E por você ter me apresentado esse poema, agora fiquei com vontade até de casar contigo (de mentirinha, seu bofe pode ficar tranquilo)!
bjo!

Débora said...

Lindo de morrer. Eu justo o que eu precisava hoje. Obrigada

Sebastião Ribeiro said...

Oh, Adelaide, que coisa linda e precisa e conveniente! Obrigado!