Friday, November 26, 2010

aprendendo com uma mulher insuportável

diane arbus... que incógnita na minha vida. pra mim ela é que nem um mamão: toda vez que olho, fico me perguntando "ai, gosto ou não gosto?".

como eu sou recalcada, invejosa e insegura (ou seja, bem normal), acho que não gosto dela porque todo mundo gosta dela. tenho tédio dessa idolatria, meu único ídolo é o lactopurga (que uso tanto que já nem faz tanto efeito).

o fato de diane fotografar os freaks de ny e redondezas, eu não acho nada original. quantos livros a gente acha na livraria cultura, que datam de 1800 e bolinha, que tratam do mesmo assunto?

o ponto é COMO a desgraçada conseguiu fazê-lo. quando todo mundo estava, na década de 30, fotografando em busca da fotometria perfeita (aê, planet hemp!) e prints perfeitos, vieram os anos 50 e diane e sua turma (robert frank, weegee, winogrand e esses véi tudo) começaram a fotografar a vida, rápido como sua época: câmeras portáteis, flash, cara de snapshot.

desculpa acabar com vossos sonhos, fashionistas, mas essa ideia não foi do terry!

o meu problema com diane mora também no jeito como ela pretendia ser um freak-por-dentro para se aproximar dos seus objetos e tratá-los como, bem, como freaks.

ela não era freak coisa nenhuma. era como eu, como todas nós: bem-educadinha, inteligentinha, bonitinha, pretensiosinha e com um EGO do tamanho da hidrelétrica de tapacurá (como todos os piscianos que conheço).

e meu abuso não é nem o fato de que ela tirava proveito dos retratados - isso faz parte da condição de fotógrafo - mas é o fato dela bradar aos quatro ventos que não o fazia!

diane, a senhora era uma chata, e talvez se eu não tivesse lido sua biografia talvez ainda gostasse um pouco da senhora. no livro, todos descrevem como tímida e que ela falava como se tivesse 5 anos de idade. afe, que abuso!!

diane devia ser uma dessas pessoas com tamanha riqueza interna, e com tanto talento pra uma coisa só (tirar fotos), que não sobrou talento para ser uma diva carismática (coisa que combinaria demais com a obra dela). fica bem claro no livro que ela não passava de uma patricinha de park avenue que endoidou.

mas apesar da falta de noção sobre a própria obra, ela tinha uma visão bem bonita sobre certos tópicos da fotografia e da auto-ajuda. vou copiar uns aqui:

"it's irrational to be born in a certain place and time and of a certain sex. if you are born one thing, you can dare to be thousand other things".

"it's impossible to get out of your skin and into somebody else's, and that's what photography is all about".

"i want to dramatize a particular life".

"life is really a melodrama".

"it's important to take bad pictures".

"photographing is not about being comfortable, either for the photographer or the subject".

"the subject can't be better than the photo".

"you've got to learn not to be careful".

"i've never taken a picture i intended. they are always better or worse".

"the more specific you are, the more universal you'll be".

"lately (ela se mataria dias depois, vale dizer) it's been striking me how i really love what i can't see in a photography".

"i will not risk my life, but i will risk my reputation or my virtue for my photography".

"NOBODY IS GOING TO LOVE YOUR PICTURES LIKE YOURSELF".




amo ver contato dos fotógrafos importantes. tenho sempre a impressão que eles escolheram a foto errada hahahaha

1 comment:

Dri Afonso said...

Oi, tudo bem???
Adorei o post.
Seu blog pe bem legal...voltarei mais vezes.
http://chatadescarpin.blogspot.com/
beijão