Tuesday, September 22, 2009

118. e aí, paris

nao, a terra nao tremeu. cheguei la mais de dez da noite e nao consegui encontrar minha pobre amiga, que ficou lá a me esperar e nada de mim.

quando deu meia-noite eu cansei de ficar olhando paris da janela do hotel e fui andar.

desci a xanzelizê inteira andando. até chegar no gran palé. peguei a direita levemente. atravessei a rua. cheguei na beira do rio e tomei um susto.

era a torre, dourada, risonha, cheia de si.

as luzes se derretiam no rio em amarelo, vermelho, branco e azul.


e eu do tamanho de um pinto, perto dela, acendi um cigarro.
e fiquei pensando.




foi um longo caminho.

4 comments:

Dani Mansur said...

Ivi, qdo cheguei em Paris pela primeira vez, cheguei tarde da noite e não tinha ninguém pra conversar. Eu tava num albergue fubá perto do Louvre e decidi q PRECISAVA andar. Saí dalí de perto do Louvre e comecei a subir pela Champs. Andei até meus pés doerem. Andei, andei, sem mapa, sem saber de nada e tive a mesma experiência q vc: dei de cara com a torre. Foi lindo. Sentei naquelas escadas e chorei - de pura felicidade.

Bárbara Toledo said...

Te invejei!

joli said...

desse dia vou guardar o meu bligadelinho: "comment tu es brésilienne si tu n´es pas marron?"
onnnnnn
"Il y a personne de tout colour au Brésil, mon petit!!" NHAC!

Luciene Vieira said...

Hostel pertinho da Champs Elysée? E nessa sua "licença maternidade" não tem espaço para moda e afins? Quero ver como a senhourita se segura aí em Parrí.Conta tudo!